sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Orientações para a compra de protetor solar

Verão é tempo de muito sol, praia e piscina. Mas é bom ficar atento, pois a exposição excessiva aos raios solares é prejudicial à saúde da pele. Por isso, hoje vamos falar sobre os cuidados na compra de protetor solar.

A pele contém um pigmento natural denominado melanina. Quando exposto ao sol, o organismo reage produzindo esse pigmento, e, assim, reduzindo a penetração dos raios solares. Cada tipo de pele corresponde um nível de melanina. Os filtros solares contidos nos bronzeadores e protetores agem sobre a pele filtrando os raios do sol de forma similar à melanina, daí a importância de usá-los.

A embalagem deve conter informações do fabricante e/ou importador; composição; data de validade; contra-indicação; nível de proteção; tipo de pele; instruções de uso; período de exposição ao sol; resistência à água e número de registro no Ministério da Saúde. Os produtos importados devem trazer estas informações em português, com linguagem clara e precisa.

Quando se tratar de crianças, fique atento, pois já existe no mercado uma linha específica para elas.
Produtos de fabricação caseira devem ser evitados por não obedecerem aos critérios técnicos exigidos e nem aos padrões adequados de qualidade.

Dicas


- Escolha o produto com FPS (Fator de Proteção Solar) adequado ao seu tipo de pele*;

- Pessoas com pele oleosa devem dar preferência a filtros em gel e sem óleo;


- Para peles secas as loções cremosas e os cremes são mais indicados, enquanto os sprays são ideais para esportistas;



- Passe o protetor solar abundantemente por todo o corpo 30 (trinta) minutos antes da exposição solar. Reaplique: a cada hora, se nadar, se usar tolha ou transpirar excessivamente;


- Use o protetor mesmo embaixo do guarda-sol ou em dias nublados;


- Ao menor sinal de manchas, bolhas, queimaduras ou alergias, procure auxílio médico.


*Notas do Blog:

- Pessoas com pele mais claras requerem um fator de proteção solar mais elevado, enquanto pessoas de pele morena ou negra podem optar por FPS menores, porém sempre acima de 15. No Verão, como a exposição aos raios UVA e UVB são maiores, o FPS do seu protetor também deve ser maior;

- os raios UVA penetram profundamente na pele, sendo os principais responsáveis pelo fotoenvelhecimento (envelhecimento da pele por exposição solar excessiva que deixa a pele mancha, seca e áspera);

- a radiação UVB penetra até a epiderme sendo a causadora de queimaduras solares e, em longo prazo, do câncer da pele);

- Evite a exposição ao sol entre 10 e 16 horas, quando a intensidade dos raios é maior.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Inmetro amplia a segurança de berços infantis


Depois de passar por consulta pública, com a participação de toda a sociedade, o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) publicou no Diário Oficial da União o aperfeiçoamento da regulamentação que amplia o rigor na segurança de berços, seguindo práticas internacionais do setor. Entre as principais atualizações, a portaria prevê a inclusão de berços pendulares, de berços de balanço e de modelos com menos de 90 centímetros de comprimento na certificação, e passa a proibir as grades laterais móveis nos produtos. (confira aqui o regulamento dos berços infantis).

Chefe da Divisão de Regulamentação Técnica e Programas de Avaliação da Conformidade (Dipac) do Inmetro, Leonardo Rocha destaca que o aperfeiçoamento dos regulamentos é contínuo, visando a oferecer cada vez mais segurança, acompanhando a evolução dos produtos no mercado.

“Isso não quer dizer, porém, que o berço certificado já adquirido é inseguro. Estamos apenas aumentando o rigor, deixando mais claras as orientações aos consumidores, por meio de marcações e advertências obrigatórias e especificações do produto”, esclarece Rocha.

O novo regulamento atingirá todos os 368 modelos de berços registrados e disponíveis no mercado. Fabricantes e importadores terão prazo de 24 meses para deixar de fabricar e comercializar produto fora das especificações técnicas. O varejo, por fim, terá 36 meses para escoar o estoque de produtos que não seguem a regulamentação.




terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Cuidados na hora de comprar fantasias e abadás para o Carnaval

A poucos dias do início do Carnaval, o folião mais animado busca alternativas para vestir nas festas de rua e salões. Mas antes de cair na folia, devidamente trajado e pronto para aproveitar o Carnaval, é preciso prestar atenção a algumas dicas do Procon-SP sobre compras de fantasias e abadás pela internet.

Ao iniciar a busca, é importante verificar se o endereço do site é iniciado com "https:", o que significa que a página é segura. Antes da compra, fique atento a todas as informações sobre as características da peça, como cor, tamanho, composição do tecido, além de acessórios agregados. Lembrando que é essencial definir por escrito a forma de entrega do produto. Neste caso é preciso saber se a roupa será entregue ao consumidor ou retirada por ele em local preestabelecido.

É importante notar se na página inicial a empresa disponibiliza canais de atendimento ao consumidor e se há informações como endereço físico e CNPJ.

Outra dica: salve (ou imprima) a tela encontrada, inclusive com os dados da compra. Ao receber ou retirar a encomenda, verifique se tudo está de acordo com o solicitado. Caso contrário, o produto deve ser devolvido, especificando-se o problema na nota de entrega.

Se a escolha para comprar a fantasia for uma loja física, também vale a pesquisa de preços. 

Evite a compra em vendedores ambulantes.  Apesar de possuir preços menores, o comércio informal não emite nota fiscal, o que impossibilita que o consumidor busque seus direitos em caso de algum problema no produto.

Seus direitos

No caso das compras feitas fora de um estabelecimento comercial (telefone e internet, por exemplo) há prazo de sete dias corridos, a contar da contratação ou do recebimento do produto, para arrependimento, independente de motivo. O cancelamento deve ser feito por escrito.

O comerciante é obrigado a trocar um produto que apresentar vício ou não corresponder ao que dizia a propaganda. No caso de bens duráveis o consumidor tem o prazo de 90 dias para reclamar. Para bens não-duráveis o prazo cai para 30 dias.

De qualquer forma se no momento da venda houve a promessa da possibilidade da troca, esta deve ser cumprida, mas o compromisso deve ser registrado por escrito. 

Notas do blog:

- Produto com vício é aquele que possui um defeito que não traz risco à saúde e segurança do consumidor. Exemplos: um eletroeletrônico que não funciona ou uma roupa com falhas de fabricação. 


Produto não durável é aquele cujo uso ou consumo resulta na destruição imediata da sua própria substância (alimentos, por exemplo). 


- Por produto durável se entende aquele cujo consumo não causará a imediata destruição da própria substância (eletrodomésticos, por exemplo).